Por que você deveria conhecer o Pint of Science

Por que você deveria conhecer o Pint of Science

A resposta é simples: porque o Pint of Science é um festival que leva a ciência para a mesa de bar. Perfeito, não? É na mesa de bar que aparecem os maiores experts em vários assuntos, que vão de futebol e política, passando pela astrologia até chegar na gastronomia e economia. Em uma mesa de bar fala-se de tudo, e todos são super entendidos sobre qualquer assunto! Mas e quando se trata da área científica, será que as pessoas têm a mesma desenvoltura para tratar do assunto?

Afinal, o que é o Pint of Science?

A ideia do Pint of Science nasceu de dois cientistas pesquisadores do Imperial College London, Michael Motskin e Praveen Paul.

Em 2012, eles organizaram um evento chamado “Meet the Researchers” (na tradução, “Encontre os Pesquisadores”), que tinha como objetivo levar pessoas com Mal de Parkinson e de Alzheimer, doença do neurônio motor e esclerose múltipla para verem, em seus laboratórios, os tipos de pesquisas em que estavam trabalhando. Como eles próprios dizem no site, o evento foi inspirador tanto para os visitantes como para os próprios pesquisadores. E daí eles pensaram que se as pessoas estão dispostas a irem aos locais de trabalho dos cientistas, os cientistas também deveriam sair para encontrar as pessoas do lado de fora. E foi assim que nasceu o festival Pint of Science, em maio de 2013, com grandes nomes do meio científico em campos variados dispostos a conversarem com os amantes da ciência – e da cerveja – sobre seus achados e inovações.

Um festival que reúne cerveja e ciência em uma mesa de bar não tinha como dar errado!

O evento busca transformar a informação científica em algo divertido, envolvente e acessível, e disponível, claro, em pubs. A ideia é tirar da cabeça das pessoas que a ciência é algo complicado de se entender ou distante da nossa realidade. Os organizadores se esforçam em levar os cientistas mais interessantes para falar sobre suas pesquisas, e tudo o que as pessoas precisam fazer é se sentar e ouvir enquanto tomam sua cervejinha, e depois ainda podem fazer perguntas e debater.

Onde o Pint os Science acontece?

O Pint of Science tem se espalhado tanto que já chegou ao Brasil. Aliás, em maio desse ano o evento aconteceu em 12 países simultaneamente (e mais de 100 cidades): Reino Unido, Irlanda, França, Itália, Estados Unidos, Espanha, Alemanha, Brasil, Austrália, Canadá, Áustria e África do Sul. É possível encontrar no site de cada país as cidades envolvidas e os cientistas e temas abordados. Para acessar o site da edição brasileira, clique aqui.

Pint of Science

Fonte: http://pintofscience.com.br/

A ciência está tão presente em nossas vidas que muitas vezes nem nos damos conta. O Pint of Science traz o campo científico para perto de nós, em uma mesa de bar (!) – jeito mais simples, impossível – e nos ajuda a enxergar como o trabalho dos cientistas é importante e influencia demais nosso cotidiano.
A gente adora iniciativas como essas, e vocês?!

 

Como fazer um apresentação a la Steve Jobs

Inspirador.

Assim era visto Steve Jobs nos eventos, em especial nos tão aguardados lançamentos de produtos da Apple. Ainda hoje é difícil encontrar alguém com o talento que ele tinha para apresentação – aliás, Jobs influenciou tanto o modo como os líderes se comunicam que há muitos executivos mundo afora tentando copiá-lo ou se inspirando nele.

Mas qual era o segredo de Steve Jobs? O que era aquele ‘algo a mais’ que os eventos da Apple comandados por ele tinha que os outros normalmente não têm? O que o transformou em um dos maiores storytellers do mundo corporativo?

As apresentações do CEO da Apple eram eventos extraordinários e aguardados com grande expectativa. Além de informação, seus eventos também levavam inspiração e entretenimentos aos convidados.

Talvez não haja segredo algum para o sucesso dele, mas sim uma junção de fatores: talento, visão, paixão e prática – acredite, esses dois últimos fazem muita diferença. A paixão transparece para o público, e a prática, como sabemos, leva à perfeição.

O que aprender com os eventos de Steve Jobs?

 

  • Estabeleça uma conexão pessoal

Se tinha uma coisa que Steve Jobs fazia bem era tornar as coisas pessoais. Não era apenas a venda de produto puramente – todos os eventos e produtos por trás dele tinham personalidade. Se você cria uma conexão pessoal com o público do seu evento – assim como Jobs fazia – fica muito mais fácil atrair a atenção desejada. Não deixe a apresentação entediante com informações técnicas – ao invés disso, conte a história do produto e mostre por que as pessoas precisam dele. Quando o iPod foi lançado em 2001, o evento de lançamento girou em torno da paixão das pessoas por música: “a música faz parte da vida de todos”. E mais: “com nosso jeitinho nós vamos tornar o mundo melhor”. Para os outros era apenas um aparelho de música, para ele era uma ferramenta que enriqueceria a vida das pessoas. Tornando a nossa vida e nosso mundo melhor, ele falou direta e pessoalmente com sua audiência.

 

  • A regra dos três

Steve Jobs era mestre em usar a regra dos três em suas apresentações: nos eventos da Apple, tudo é anunciado em três – três produtos, três novidades, etc. De acordo com a Forbes, três é “o número mais persuasivo na comunicação”. Nossa memória curta funciona bem para lembrar pequenas doses de informação, portanto, focar em três pontos fortes torna-os mais efetivos e fáceis de serem gravados pela audiência.

 

Assista o lançamento do iPod em 2001 e veja que muitos dos slides contêm três pontos: “three major breakthroughs“, “ultra-thin hard drive” ou “30 times faster“, por exemplo. E nas falas dele, o mesmo processo – em certo momento ele enfatiza ‘iMac, iBook and iPod”. Assim ele conseguia prender a atenção das pessoas e alimentá-las com pequenas quantidades de informação, que elas podiam reter e passar adiante.

Ou seja: preocupe-se em levar uma apresentação simples ao evento, ao invés de jogar uma lista interminável de dados e informações ao público. O que quer que você queira vender no evento, seja uma ideia, serviço ou produto, não desperdice o tempo com informações desnecessárias que serão perdidas. Foque nos pontos chaves em grupos de três, como Jobs fazia com excelência, e deixe que o público encontre mais informações posteriormente em seu site.

 

  • Posicione sua marca ou produto com uma frase simples

“Hoje a Apple reinventa o telefone”. Basta uma busca no Google por essa frase (434.000 resultados) para ver o poder de um produto bem posicionado. Essa frase foi usada por Jobs no evento de lançamento do iPhone e repetida por ele várias vezes durante a apresentação. No ano seguinte, em 2008, Jobs lançou o MacBook Air com a frase “o notebook mais fino do mundo”. Frases simples, mas que dizem muito, capturam a essência da mensagem que precisa ser entregue. E melhor, cabem em um tweet com 140 caracteres. Pense simples!

8 dicas de ouro da Produtora de Eventos da Rainha Elizabeth

Lady Elizabeth Anson é produtora de eventos da Rainha Elizabeth II por mais de 50 anos. Prima da rainha, Lady Elizabeth é filha da Princesa Anne da Dinamarca, e neta do Rei George VI. Além da rainha, ela tem outros clientes-celebridades, como Tom Cruise e os Rolling Stones, e outros famosos que procuram por ela quando querem discrição nos seus eventos.

Promotora de eventos Lady Elizabeth Anson

Fonte: http://www.thesundaytimes.co.uk/

Em uma entrevista ao The New York Times, ela deu suas dicas para produção de eventos, sejam eles para a realeza ou não. Há oito regras que ela segue à risca ao organizar seus eventos:

  1. O convite dá o tom do evento – Se você tem um convite com aparência barata, segundo ela, as convidados vão imaginar que haverá vinho azedo e comida péssima no evento. E não queremos isso, certo? Algo simples porém elegante é a medida certa.
  2.  Festas boas não têm que ser extravagantes – “Uma festa com uma mesa com bons vinhos e massas ou salsinhas e um purê saborosos pode fazer tanto sucesso quanto uma mesa com caviar, ostras e lagostas”, diz Lady Elizabeth. E continua “Ingredientes caros não são tudo. O que importa são as pessoas”.
  3. Boa iluminação é essencial – Depois dos convidados, o item mais importante na produção de um evento é a utilização de uma iluminação apropriada. A iluminação tanto pode resolver como estragar tudo. “Você pode usá-la para fazer as pessoas parecerem mais bonitas e para dividir um grande ambiente”.
  4. Faça todos se sentarem – quer um jeito de fazer os convidados irem logo para suas cadeiras? Diga a eles que a comida já será servida e que será ‘suflê’ – segundo Lady Elizabeth, a deixa do suflê nunca falha, mesmo quando a comida é outra ;).
  5. Acomode todos as pessoas chatas juntas (!!) – sim, e a produtora de eventos da rainha britânica ainda diz que essa é a melhor dica dela.
  6. Uma mesa de jantar redonda é a melhor opção – a produtora de eventos diz que é feliz por ter uma mesa redonda em casa, e poder deixar os protocolos de lado – não ter que decidir quem é o convidado mais importante e onde ele deve sentar. “Torna a vida mais fácil”, ela diz. “Se houver um duque, ele pode se sentar em algum lugar oposto a mim se eu achar que há alguém mais interessante que quero sentado ao meu lado”.
  7. Atenda o telefone – é a maneira mais rápida de deixar tudo organizado, e deixa pouco espaço para mal entendidos. Ela diz que sabe que está fora de moda, mas é instantâneo: “não quero e-mails intermináveis”.
  8. Termine a festa quando houver pelo menos 20 pessoas na pista de dança – “Se você deixar ir acabando gradualmente, é a morte”, acredita a produtora de eventos “Em toda minha carreira só cometi um erro, que foi ser convencida a reiniciar a banda. Foi um fracasso”. Anuncie (ou peça que a banda o faça) que será a penúltima música, e peça para o bar parar o serviço. “As pessoas saem mais rápido quando não podem mais beber”.

E aí,concorda com as dicas da produtora de eventos da rainha Elizabeth?!

 

SxSW 2016 já teve presença até de Barack Obama

O South by Southwest (SxSW) é um evento – ou melhor, um festival e conferência – internacionalmente conhecido. É um grande evento cultural e de economia criativa que oferece uma convergência única entre músicas originais, filmes independentes e tecnologias emergentes.

Evento Sxsw 2016

Fonte: http://www.sxsw.com/

Ano após ano o evento funciona como uma plataforma para lançamento de novos conteúdos criativos em temas como música, cinema, tecnologia, criatividade, games, esportes, saúde, gastronomia e moda, além de expressões artísticas. Apresentação de novas mídias, performances musicais e exibições de filmes geram barulho para os criadores, além de serem ótimos entretenimentos para o público. Painéis de discussão apresentam fóruns para aprendizado, atividades de negócios prosperam nos trade shows, e oportunidades globais de networking abundam. Intelectuais e criativos misturados aos líderes de mercados continuam a espalhar novas ideias e construir o caminho para o futuro de cada segmento em evolução, por muito tempo após o fim dos eventos.

O SxSW começou no dia 11 de março e vai até o dia 20. Pretende reunir alguns milhares de pessoas vindas de 85 países diferentes. Dentro do festival acontecem 10 feiras, que devem contar com cerca de 270 mil visitantes e 85 mil congressistas.

O SxSW já teve presença até de Barack Obama na edição atual. Pela primeira vez um presidente norte americano foi keynote de uma das salas de conferência. Ele falou sobre engajamento cívico, empreendedorismo e audiência criativa no século 21. Ele falou sobre terrorismo, democracia, novas tecnologias, pedofilia e até sobre o caso atual da Apple com o FBI. Questionado sobre isso, ele respondeu: “a sociedade vai ter que ceder um pouco em sua privacidade se quiser prender pedófilos ou desmascarar terroristas”. Confira como foi:

A primeira-dama, Michelle Obama, participa do SXSW Music para discutir a iniciativa “Let Girls Learn” (“deixe as garotas aprenderem”), que tem como objetivo quebrar as barreiras para as 62 milhões de meninas ao redor do mundo, mais da metade adolescentes, que não frequentam uma escola hoje em dia.

Na edição desse ano do SxSW o Brasil tem o maior estande nacional – o espaço conta com 37 empresas apresentando a criatividade brasileira, claramente para aproveitar a chance de prospectar contatos e fazer negócios.

Burning Man: uma cidade criada (e depois destruída) só para um evento

Você já ouviu falar no festival Burning Man?

O Burning Man é uma rede de pessoas inspiradas pelos valores refletidos nos “Dez Princípios” (explicaremos quais são eles mais adiante) e unidos pela busca de uma existência mais criativa e conectada.

Burning Man: uma cidade criada só para um evento

O movimento nasceu em 1986, quando o carpinteiro Larry Harvey e seu amigo Jerry James, insatisfeitos com o mundo, resolveram improvisar uma figura de madeira de 2,5 metros de altura e colocá-la em Baker Beach (São Francisco) no solstício de verão. Eles começaram a queimar a estátua e um grupo de curiosos começou a se juntar para ver o que estava rolando por ali.

Nos anos seguintes o evento da queima foi atraindo cada vez mais gente, até que teve que mudar de local. Em 1990 aconteceu o primeiro festival no deserto de Nevada e o Burning Man foi ganhando mais popularidade e mais dimensão – das 35 pessoas iniciais, de 1986, o evento conta hoje com 70 mil participantes, uma estátua de 32 metros, performances, muita arte, carros decorados, muitas invenções criativas e tecnologia.

Festival Burning ManThe Man over the Mystic Midway, 2015. Foto de Bill Klemens.

Dizem que o Burning Man é o maior festival de contracultura do mundo. Pelo seu tom hippie, alguns o comparam ao Woodstock da Era Digital. Na realidade é um experimento social que busca ser uma alternativa para a cultura de massas e a sociedade consumista.

Burning Man: Uma cidade construída só para um eventoPôr do sol no R-Evolution de Marco Cochrane, 2015. Foto de Mark Hammon.

Durante todo o ano é construída a Black Rock City, uma cidade no meio do deserto, onde o festival acontece. Pessoas nuas com os corpos pintados, barracas enfeitadas, instalações gigantescas, sol forte, é o que se vê por lá. O Burning Man celebra a vida em comunidade, a arte, a liberdade de expressão artística, a autossuficiência, a meditação, a tecnologia e uma sociedade livre de capital, e qualquer outra coisa que rompa a barreira dos costumes e do capital. A ideia é que não importa o que você faça, desde que seja criativamente e sem medo do ridículo.

Tudo é organizado pelos participantes e não se paga por praticamente nada. Apenas o espaço é oferecido – com uma infraestrutura mínima para as necessidades fisiológicas. Cada um é responsável por levar seus mantimentos e recursos para sobreviver na semana do evento. Como o festival acontece no meio deserto, vale lembrar que nem água e nem vegetação tem por ali.

Festival Burning ManTemple of Promise de Dreamers Guild, 2015. Foto de luksz.

Veja os 10 princípios do Burning Man:

– Inclusão Radical
– Presentear
– Desmercantilização
– Autoconfiança radical
– Autoexpressão radical
– Esforço comum
– Responsabilidade civil
– Não deixar traços
– Participação
– Urgência

No último dia do evento as instalações da cidade são queimadas, simbolizando o encerramento de um ciclo. Não sobra nenhum lixo. Tudo é deixado exatamente como foi encontrado.

Burning Man: A cidade construída só para um eventoBurning Man Fury Road, 2015. Foto de John Chandler.

O Burning Man desse ano acontecerá entre 28/08 e 05/09.

Dizem que é daquelas experiências que precisamos viver uma vez na vida.

Deu vontade de ir?!

Imagens do site Burning Man.

Os números de um dos maiores eventos esportivos do mundo: o Super Bowl

Por aqui quase sempre falamos sobre eventos corporativos, eventos motivacionais, eventos de integração, e por aí vai. Mas sempre que algum outro tema interessante no mundo dos eventos surge, gostamos de fazer algumas boas pesquisas para ver o que de tão interessante esses outros eventos têm.

É o caso do Super Bowl (uma breve explicação para quem não é do mundo esportivo: é um jogo do campeonato da NFL – National Football League –, a principal liga de futebol americano dos Estados Unidos). A última edição aconteceu recentemente, no dia 7 de feveiro, no Levi’s Stadium, em Santa Clara, na Califórnia. O Super Bowl 50 celebrou a quinquagésima edição do Super Bowl e decidiu o campeão da temporada de 2015 da NFL entre o Denver Broncos e o Carolina Panthers.

Os números do grande evento, como sempre, impressionam:

Super BowlFonte: Freepik

Como contornar as diferenças culturais em eventos corporativos internacionais

Vai organizar uma conferência ou um coquetel e seus convidados vêm de países diferentes? E você sabe como contornar as diferenças culturais em eventos corporativos internacionais?

O mundo está cada vez mais globalizado

Fato que não se pode negar é que a globalização é uma realidade já faz muito tempo. E o avanço na tecnologia foi um dos grandes facilitadores nesse processo. É fácil, fácil, pegar o celular e ter acesso ao que está acontecendo à milhas daqui – até uma criança faz isso. Também já não é um bicho de sete cabeças fazer uma videoconferência com empresas de outros países, e nem viajar para participar de eventos no exterior. Contudo, um mundo cada vez menor não quer dizer que os costumes das pessoas estão se tornando os mesmos. As diferenças culturais existem, e saber respeitá-las pode fazer toda a diferença no sucesso de um negócio, ou no sucesso de um evento corporativo internacional.

Eventos corporativos realizados por empresas pequenas

Evento corporativo para a Allianz. Fonte: i2 Produções

Brasileiros apertam as mãos, japoneses se curvam

O evento corporativo está começando e os convidados internacionais estão chegando. Já na hora do cumprimento situações embaraçosas podem surgir. Brasileiros – ou latinos de um modo geral – estão acostumados a tocar nas pessoas, e abraçam ou beijam mesmo não tendo intimidade com os demais. Os asiáticos já não se sentem à vontade com o toque. Os japoneses, por exemplo, se curvam em reverência. Para os muçulmanos, um breve contato visual é considerado o normal.

No fim do evento, se a ideia é celebrar um negócio ou agradecer pelo convite, o aperto de mãos é aceito em muitos países; já na Índia, dizer apenas “Namastê” é suficiente. Na hora de fazer a troca de cartões de visitas, para os chineses é sinal de respeito entregá-lo segurando com as duas mãos, e eles esperam que as pessoas recebam com as duas mãos também.

Os dias do evento corporativo também precisam ser bem pensados conforme sua lista de convidados. Dependendo da cultura, sábado ou domingo podem ser dias de descanso, e algumas pessoas poderão não comparecer ao seu evento de fim de semana.

Novas regras de etiqueta dos eventos corporativos

Forma de comprimento no Brasil.

Conhecer a audiência do evento é fundamental

Qualquer evento corporativo requer algo essencial do produtor de eventos: conhecer o público. E isso deve se dar principalmente quando existe diversidade cultural entre os participantes. Treinar sua equipe também é uma ótima ideia para que ninguém cometa gafes. Apenas tome cuidado com generalizações ou estereótipos. Às vezes a própria cultura organizacional é o que pode fazer a diferença em um evento. Por isso esse conhecimento é tão importante.

Muitas vezes as diferenças culturais são sutis, mas podem afetar até a escolha do menu do evento, do horário, do layout da decoração. Respeito e flexibilidade são palavras-chaves em eventos corporativos internacionais.

Globo de Ouro 2016: confira como foi o menu e a decoração do evento

A edição desse ano do Globo de Ouro – ou Golden Globes – acabou de acontecer nesse domingo, 10 de janeiro, e o evento foi um luxo e a cara da riqueza, como sempre – os modelitos de estilistas famosos usados pelos 1.300 convidados/celebridades só comprovam isso.

Como acontece anualmente, o 73º Golden Globes foi apresentado no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles. Para você ter um ‘gostinho’ do menu preparado pelo chef executivo do hotel, Troy N. Thompson, veja como foram os pratos:

Aperitivo – salada californiana com influência asiática, composta por berinjela, couve chinesa, rabanete, flor de lótus, e folhas de mostarda, envolta em molho de gengibre

Entrada – filé de carne com crosta marinara e truta assada com alho negro, alcaparras fritas e batata doce
Opção para os vegetarianos – batata doce assada com creme de milho rodeada por vegetais de inverno

Sobremesa – trio de doces do chef pâtissier Thomas Henzi, incluindo mousseline de limão com centro de pistache, bolo de amêndoas e uma Grand Marnier Carmella (uma mousse de chocolate sobre um bolo sem farinha). Em homenagem à ocasião, chocolate e detalhes em dourado (como o anel decorando a mousse).

Um dos pratos servidos no Globo de OuroFonte: The Daily Meal

Prato servido no Globo de OuroFonte: The Daily Meal

Outra opção de prato servido no eventoFonte: The Daily Meal

Menu do Globo de OuroFonte: The Daily Meal

Obs.: para quem quiser se arriscar na cozinha e fazer os pratos, o hotel divulgou as receitas (em inglês). O site Mashable publicou aqui.

Para acompanhar, Moët & Chandon – a champagne oficial do evento há 25 anos. Em uma competição organizada pela Moët & Chandon para escolher o coquetel do evento, a criação de uma mixologista local foi a vencedora. A Moët Ruby Red, uma visão moderna do coquetel French 75, e uma homenagem ao O Mágico de Oz, inclui suco de limão, estragão, framboesa, vodca, citrus, e Moët & Chandon Imperial. A Moët & Chandon também criou e lançou uma champagne personalizada para os 25 anos de parceria, uma edição limitada de minigarrafas para as estrelas degustarem no tapete vermelho.

Edição limitada do champagne Fonte: Bizbash

Uma visão moderna do coquetel French 75 e uma homenagem ao "O Mágico de Oz".Fonte: Bizbash

Coquetel do evento criado por uma mixologista localFonte: Bizbash

Na decoração floral, foi criada uma combinação de cores vívidas e super contrastantes para harmonizar com os tons de prata e dourado do palco. Cerca de 10 mil flores da Holanda e América do Sul foram escolhidas para embelezar o show, que deveriam passar uma sensação agradável pelas lentes das câmeras de TV. Os arranjos incluíam quatro variedades diferentes de rosas verdes e douradas, com hortênsias e jacintos misturados em tons profundos de lavanda, e orquídeas roxas, fixados em cilindros de vidro envoltos com tecido prata.

Decoração Globo de Ouro 2016Fonte: Bizbash

Decoração do Globo de Ouro 2016Fonte: Bizbash

Deu para se sentir um pouquinho lá dentro do Golden Globes 2016?

10 tendências em eventos para ficar de olho em 2016

Anualmente o Event Manager Blog divulga as tendências que terão impacto no cenário de eventos. E recentemente eles soltaram a lista com as 10 tendências em eventos para ficar de olho em 2016.

Mais do que nunca, predominará no novo ano o crescimento e a disseminação da tecnologia para eventos. E os números das pesquisas feitas pelo Event Manager Blog só comprovam esse fato: 94% dos profissionais de eventos investirão em tecnologia para aumentar o engajamento; 75% comprarão aplicativos com o mesmo intuito; um a cada quatro profissionais usa tablets para gerenciar o processo de registro em eventos; um a cada quatro profissionais espera que haja integração entre apps e registros; e um a cada dois profissionais de eventos já experimentou aplicativos para eventos, projeções mapeadas, telas touchscreen digitais, photobooths e sistemas de respostas de audiência.

Tendências em eventos corporativosFonte: Graphic Stock.

Ou seja: goste ou não, quem trabalha com eventos vai ter que começar a adotar a tecnologia com muito mais força a partir de agora. Quem já vem fazendo isso está um passo à frente. Mas quem ainda está pensando no assunto, a boa notícia é que a oferta de novas tecnologias no setor de eventos só cresce. É hora de experimentar as novas tecnologias que podem transformar o processo de se planejar um evento, ou dar uma segunda chance às ferramentas que estão voltando com tudo.

As 10 tendências em eventos para ficar de olho em 2016 foram assim divididas:

Second life: tendências que voltaram a ser populares graças ao impulso de macro tendências:

10) Crowd-Streaming: primeiro foi o Meerkat, logo veio o Periscope do Twitter, e então a plataforma Live do Facebook. E os usuários começaram a usar ativamente seus smartphones para compartilharem por live stream suas experiências, muitas vezes eventos. O crowd streaming é o movimento gerado pelos próprios usuários – o conteúdo é criado pelos participantes do evento, e os produtores de eventos são meras segundas vozes. O crowd streaming é uma grande maneira de incentivar a participação remota e possibilitar a quem não pode comparecer ao evento ‘dar uma espiada’ no que está acontecendo.

9) Matchmaking 2.0: as empresas que oferecem o Matchmaking 2.0 proporcionam o que falta na maioria dos apps de eventos: contexto. Ao coletar de forma inteligente os dados disponíveis nas redes sociais e online, elas fornecem relatórios estratégicos para o usuário final, que podem melhorar substancialmente a efetividade do networking. E o networking continua entre as três principais razões por que participamos de eventos. O produtor de eventos com visão de futuro oferece aos seus convidados mais contexto para criarem conexões mais significativas em uma espécie de ‘casualidade orquestrada’.

8) Venue Hunting: a economia compartilhada também está impactando o setor de eventos. Lá fora começam a surgir cada vez mais plataformas para locações de espaços com o mesmo conceito do Airbnb. Os produtores de eventos querem espaços que ofereçam uma experiência mais integrada a preços razoáveis. E as novas plataformas que estão oferecendo serviços de busca de espaços para eventos entenderam que o mercado está pedindo maior flexibilidade, e passaram a oferecer sistemas de pesquisas mais inteligentes nesse sentido.

7) Social Ambassadors: a indicação de amigos é uma das armas mais fortes na promoção de eventos. As novas tecnologias que criam e usam os ‘advogados das marcas’ ou ‘embaixadores sociais’ sabem como dominar as redes sociais para trazer muitos mais registros aos eventos. Os produtores de eventos modernos têm nas mãos ferramentas para tirar total vantagem das redes sociais e ainda podem montar relatórios com indicadores de performance que convencerão qualquer cliente.

6) Online Staffing: com a crise econômica global, muita gente começou a se inscrever em plataformas online para ficar sabendo sobre oportunidades de empregos temporários, o que acabou tornando mais fácil para os produtores de eventos contratarem uma ajuda extra para seus eventos. As soluções online para contratação de staff oferecem várias vantagens para os produtores de evento, como os depoimentos a que eles têm acesso para checar a performance do candidato em experiências anteriores; a seleção de staff por nicho, como por exemplo plataformas especializadas em bartenders, em pessoal de segurança, etc; e dependendo da área geográfica do evento, o produtor tem a chance de alcançar candidatos mais rapidamente, com mais contexto e relevância.

New life: tendências que refletem um rápido crescimento no número de plataformas oferecendo o mesmo serviço e com bastante suporte de investidores, aquisições ou apreciação da indústria.

5) Wedtech: casamentos representam uma grande fatia do mercado de eventos e cada vez mais tem surgido ferramentas revolucionárias capazes de transformar a experiência dessa celebração. Seja um casamento organizado pelos próprios noivos ou por um produtor de eventos, a tecnologia tem se tornado uma importante aliada nesse setor. As empresas oferecendo esse tipo de tecnologia têm focado fortemente em entregar uma experiência simplificada para noivos e convidados, através de sites de casamento, gerenciamento da lista de convidados, planejamento, colaboração, compartilhamento coletivo de fotos, dentre outros.

4) No cash: em grandes cidades do mundo o pagamento cashless (sem notas de dinheiro) tem se tornado uma realidade. Para eventos com público de médio a grande porte, esse tipo de sistema traz um benefício óbvio – as plataformas cashless processam pagamentos de forma rápida, evitando as longas filas que normalmente acontecem em bares ou guichês. Os pagamentos podem ser vinculados a contas pré-pagas ou cartões de crédito. Independentemente do meio, a conveniência da agilidade no pagamento é um grande ganho para os produtores de eventos.

3) Safety first: oferecer um ambiente seguro nos eventos é primordial. E a tecnologia tem entrado aí oferecendo soluções de comunicação aprimoradas. Com eventos de grande porte geralmente suportados por voluntários ou staff temporário, a necessidade de ferramentas de comunicação que possam ser usadas de forma efetiva e como backup para os rádios é imensa. As empresas que oferecem soluções que priorizam a segurança ajudam os produtores de eventos a reagirem rapidamente em situações comuns ou cenários complicados que possam ocorrer em eventos. O foco desse tipo de tecnologia é tornar a comunicação mais acessível, compartilhável e efetiva.

Tendências em eventos em 2016Fonte: Graphic Stock.

2) Digital Swag Bags: como continuar presenteando e surpreendendo convidados e patrocinadores e sem gastar a toa? As Digital Swags estão se tornando uma grande alternativa para os produtores de eventos que trabalham com públicos simpáticos à tecnologia e sustentabilidade. As companhias que oferecem esse tipo de solução proporcionam uma geração de leads substancial e oportunidades de análise tanto para o produtor de eventos como para os patrocinadores. Enquanto uma boa parcela do mercado ainda estará ligada ao bom e velho presente, temos que admitir que como consumidores temos abraçado cada vez mais os presentes online e os cupons e ofertas virtuais.

1) Audio beacons: as possibilidades sem fim de se estabelecer um canal de comunicação ágil com os participantes de um evento têm cativado a imaginação dos produtores de eventos. Os beacons de áudio têm se tornado uma sólida alternativa ao beacons de bluetooth. As plataformas que trabalham com o áudio oferecem uma tecnologia que envia ondas sonoras imperceptíveis aos ouvidos humanos que ativam ações em um aplicativo. Sem a necessidade de ligar o bluetooth ou se aproximar da fonte. Esses dois componentes tornam os beacons de áudio super desejados por eventos de pequeno a grande porte. Ativar conteúdo em apps via áudio é um mecanismo potencialmente revolucionário de engajamento com o público.

i2 Produções e Allianz: uma parceria que vai até a F1

Pelo terceiro ano consecutivo nossa parceria com a Allianz Seguros foi até a F1.

Allianz Seguros na Fórmula 1Fonte: i2 Produções.

A Allianz tem uma arquibancada no Autódromo de Interlagos com capacidade para receber 500 convidados por dia. Desde 2013 a equipe da i2 Produções trabalha lado a lado com a Allianz na organização do evento que leva para o Autódromo os corretores campeões de vendas do ano da Allianz, além de clientes da Seguradora.

Além desse evento corporativo (e evento motivacional também, já que a experiência é um presente e um incentivo para os melhores corretores), a Allianz tem um projeto de cunho social que é levado até a F1. E com grande alegria colaboramos com nossos serviços nessa empreitada também.

Sexta-feira, já com toda a movimentação dos pilotos e equipes no autódromo, é dia de receber muitas crianças na arquibancada da Allianz. Esse ano o evento corporativo contou com 50 crianças do Instituto ABA – Associação Beneficente dos Funcionários do Grupo Allianz Seguros – que puderam passar por essa experiência. Elas visitaram os boxes e conheceram de pertinho o tricampeão de F1, Lewis Hamilton. Com certeza um dia inesquecível! A ABA é uma associação fundada há 16 anos pelos próprios colaboradores da companhia.

Crianças da Associação Beneficente dos Funcionários do Grupo Allianz SegurosFonte: i2 Produções.

Há muito trabalho durante o planejamento para que a organização desse evento corporativo na arquibancada da Allianz no Autódromo aconteça de forma bem sucedida. Somos responsáveis pela criação e produção das peças de comunicação, brindes e uniformes. Também oferecemos nosso staff de apoio, e todo o gerenciamento da parte aérea e terrestre. Esse ano fizemos o receptivo de 500 convidados por dia, que vieram para o evento e estavam hospedados no Hotel Transamérica.

Um pouco mais de números do trabalho da i2 Produções nesse projeto em 2015:

– 40 profissionais envolvidos;
– 70 peças criadas;
– 27 micro-ônibus;
– 1.500 convidados.

Equipe da i2 ProduçõesFonte: i2 Produções.

Além do evento no Autódromo de Interlagos, esse ano ainda tivemos um projeto piloto com oito jovens do Instituto Fazendo História. Esses jovens participaram do evento como jovens aprendizes no Hotel Transamérica, ajudando na produção e interação com os convidados. O trabalho do Instituto é colaborar com o “desenvolvimento de crianças e adolescentes que estão em instituições de acolhimento, a fim de fortalecê-los para que transformem a própria história”.

A i2 Produções, empresa especializada em produção de eventos corporativos, tem como parte do staff profissionais com mais de 15 anos de experiência nesse mercado.

Agradecemos a Allianz por estar com a gente desde o começo. O primeiro cliente a gente nunca esquece!